Envie um Whatsapp
Ligue Agora

A dismorfofobia é um transtorno psicológico que engloba uma série de distúrbios de imagem já conhecidos, como a anorexia e a vigorexia. Pessoas acometidas pela doença possuem uma preocupação excessiva com sua aparência física e tendem a conviver com sentimentos como vergonha, stress e ansiedade.

Como solução, os pacientes procuram, quantas vezes forem necessárias, soluções em cirurgias plásticas para mudar o que os incomoda, colocando em risco sua própria saúde. Sendo assim, a busca constante por procedimentos cirúrgicos pode não ser apenas um “vício de beleza”, tornando a doença tão difícil de ser diagnosticada.

A dismorfofobia é uma doença comum?

A maioria dos casos surge na adolescência – período em que o ser humano passa por várias fases de transformação – e acomete tanto homens, quanto mulheres.
No entanto, o transtorno também pode aparecer na fase adulta, com a mesma frequência entre homens e mulheres, porém, pelo fato das mulheres se submeterem mais à cirurgias plásticas, o diagnóstico se torna mais frequente no sexo feminino.

Fatores que levam à dismorfofobia

A causa real do transtorno é desconhecida, porém já se sabe que alguns fatores favorecem o seu aparecimento, são eles:

  • Predisposição genética: Pacientes podem herdar disfunções em algumas áreas do sistema nervoso e desequilíbrio nos neurotransmissores.
  • Padrão sociocultural: Alguns pacientes podem se considerar expostos a padrões de beleza essenciais para a aceitação da sociedade.
  • Busca pela perfeição: Algumas pessoas enxergam nos tratamentos estéticos existentes um caminho para alcançar a perfeição.

Quais são os sinais para identificar a dismorfofobia?

O diagnostico desse transtorno é muito difícil. Além de se tratar de uma doença psicológica, o assunto não é debatido constantemente entre os médicos e a sociedade. Alguns sinais iniciais podem ser observados com facilidade por amigos e familiares, mas o diagnóstico final deverá ser feito por um psiquiatra.

  • Preocupação exagerada com a aparência física
    A preocupação pode ser de forma generalizada ou apenas com uma característica física especifica. Geralmente, pacientes com dismorfofobia são aqueles que levam ao cirurgião plástico queixas desproporcionais ao seu real problema, ou até mesmo relatam problemas que só existem no seu imaginário.
  • Busca incessante por soluções e insatisfação com os resultados
    Pacientes que possuem dismorfofobia se esforçam de forma exagerada para solucionar seu “possível” problema de aparência.
    Alguns exemplos são pessoas que já se submeteram a um grande número de cirurgias plásticas e estão sempre em busca de mais por ainda não estarem contentes com o resultado.

Preste atenção!

Já é bastante conhecida a relação entre pacientes com dismorfofobia e cirurgia plástica. É preciso estar atento como paciente, familiar e médico cirurgião plástico aos sintomas da doença, a fim de evitar que o indivíduo acabe prejudicando ainda mais sua saúde com o excesso de intervenções.

Fábio Saito

Cirurgião Plástico com formação pela USP e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Sócio Diretor da Essere Clínica Médica, apreciador de um bom café e de bons momentos da vida. No Insta você pode mandar DM no @fabiosaitocirurgiaplastica